Ano Novo em Belarús

З Новым годам! Z novym hodam!

Feliz ano novo!

ano-novo-na-bielarrussia

Cartão postal com o tema de “Boas festas!” em técnica tradicional belarussa de vytsinanka. Autor: Michail Tumielya

Z nóvym hódam! – é assim que se deseja feliz Ano Novo em belarusso.

Além disso, pode-se desejar “Вясёлых святаў!” (Viasiólyh sviátau!), que quer dizer “Boas festas!”. Tradicionalmente as festas do inverno são interligadas, como se fosse um grande feriadão, com muitas comemorações e confraternizações.

Para a maioria das pessoas, a noite do ano novo é mais importante do que Natal. Aliás, em Belarús se comemoram dois Natais, um católico e um ortodoxo, em dias diferentes, mas ainda vou falar sobre isso numa outra ocasião. Também há dois anos novos: um se comemora assim como no Brasil, de 31 de dezembro para 1º de janeiro, e o outro, o “Cтары новы год (stáry nóvy hód – literalmente “ano novo velho”), de treze para quatorze de janeiro.

Belarussos comemoravam Ano Novo no dia 1º de janeiro antes disso virar um costume

Um fato curioso: Belarús (que, na época, junto com as atuais Ucrânia e Lituânia, fazia parte do Grão-Ducado da Lituânia) foi primeiro país a comemorar a chegada do ano novo no dia 1º de janeiro, desde 1362. O próximo país a seguir esse costume foi a República de Veneza (somente a partir de 1522), enquanto, por exemplo, Portugal, Polônia e Espanha adotaram essa tradição só em 1556. E Rússia começou comemorar Ano Novo nesta data somente em 1700. Podem imaginar como esta tradição é antiga em Belarús!

Árvore de Ano Novo montada na Praça Kastrytchnitskaya, em Minsk.

Árvore de Ano Novo montada na Praça Kastrytchnitskaya, em Minsk.

Quais são os símbolos do Ano Novo em Belarús?

Com certeza é a árvore do Ano Novo. Ok, para algumas pessoas ela pode ser árvore de Natal também, mas devido à proibição das festas religiosas no período da União Soviética, se associa principalmente com o Ano Novo.

As árvores são decoradas tanto nas casas, quanto nas praças principais das cidades. Muitas vezes são árvores de verdade. A árvore de ano novo é um tipo específico de pinheiro que cresce em Belarús, chamado “ялінка” (yalínka).  Na minha infância era muito comum comprar uma yalinka numa feira de ano novo ou simplesmente cortar uma na floresta e trazer para casa (é proibido, mas muita gente faz isso escondido, para economizar). Agora tem mais a tendência de comprar uma árvore artificial, para preservar a natureza.

A árvore principal fica na praça Kastrytchnitskaya, em Minsk, capital do país. Neste ano, pela primeira vez, ela foi decorada em estilo nacional – com ornamentos tradicionais e bolas com imagens dos monumentos históricos e animais-símbolos do país.

Como se comemora o Ano Novo em Belarús?

Normalmente com a família ou amigos, em casa ou na rua (na praça da cidade, perto da yalinka, por exemplo), se não estiver fazendo muito frio.

A comida mais comum vem da época soviética (saladas e petiscos variados, acompanhados de bebidas alcoólicas), do mesmo jeito que a tradição de assistir na televisão o pronunciamento do chefe de estado logo antes da meia-noite. Este ano, belarussos assistiram Lukashenko desejando um feliz ano novo para eles pela 20ª vez. Imaginem a paciência desse povo. Aliás, aqueles que não gostam do líder do país, assistem do mesmo jeito, às vezes mostrando seu desgosto através de gestos para a TV. Desligar o aparelho e comemorar em paz não é uma opção, para a maioria dos belarussos. Logo depois da meia-noite as pessoas trocam presentes, ou os procuram embaixo da yalinka.

Ziúzia, deus belarusso do inverno e do ano novo

Ziúzia, deus belarusso do inverno e do Ano Novo

Ziúzia, o Papai Noel congelante 

A hora dos presentes do Papai Noel também não é Natal, mas sim, a noite do ano novo. A figura do Papai Noel belarusso pode ser chamada de “Зюзя” (Ziúzia) ou de “Дзед Мароз” (Dzied Maróz), “Avô Gélido”.

Ziúzia não é simplesmente um personagem que vem dar presentes para toda criança. É um deus da antiga mitologia belarussa, responsável pelo inverno, frio, neve e gelo. Se ele não gostar de algo, pode congelá-lo. Quando está de bom humor, forma montes de neve e “desenha” com gelo nas janelas. Maroz ou Dzied Maroz, são outros nomes para esse deus, usados mais amplamente a partir da época soviética.

Ziúzia pode chegar despercebido, só deixando os presentes embaixo da yalinka, ou aparecer ele mesmo (como tem Papai Noel nos shoppings no Brasil) na escola ou em casa, para verificar se a criança se comportou bem durante o ano todo e cobrar uma canção, dança ou verso em troca de presente.

 

Para finalizar, assistam o clipe “З Новым годам!” (Feliz ano novo!) da banda belarussa Krambambula. Já podem praticar belarusso, cantando o refrão.


volhaEste artigo foi escrito por Volha Yermalayeva Franco.
Belarussa. Mora em Salvador. Professora de belarusso, russo, inglês e português para estrangeiros. Co-autora do livro didático de português para falantes de russo “Португальский шутя. 250 бразильских анекдотов” (“Aprenda português brincando. 250 piadas brasileiras”). Cantou na banda folclórica belarussa “Guda”. Ministrou oficina de vytsinanka, arte tradicional belarussa de papel recortado, no Museu de Arte Moderna da Bahia. Formada em Patrimônio Cultural e Turismo pela Universidade Europeia de Ciências Humanas, em Vilnius, Lituânia. Mestranda em Conservação e Restauro pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Bahia. Trabalha com tradução e legendagem de filmes soviéticos, belarussos e russos. Escreve sobre Belarús, sua cultura e patrimônio.


Se você gostou deste artigo e gostaria de aprender mais sobre a cultura russa e seu idioma, você pode fazer nosso curso de russo

Snizhana Maznova
Snizhana Maznova

Estou no Brasil a partir de 2006 e sinceramente posso dizer que adoro esse país com sua cultura tão rica e povo tão simpático. Meu pai é russo e minha mãe ucraniana com raízes da Polônia e Grécia. Até terminar época soviética vivi viajando entre Rússia e Ucrânia e considero os dois países como minha pátria. Além ministrar cursos de idiomas, trabalho como tradutora de russo e ucraniano. Atuo também como intérprete em reuniões entre brasileiros e pessoas da Rússia e Ucrânia, na área turística e viagens de negócio, e assistência para estrangeiros na abertura de empresa no Brasil e pesquisa no mercado etc.