As crenças estranhas na Rússia, Ucrânia e Belarus

Nesta sexta-feira é dia 13 e a maioria dos russos, belarussos e ucranianos (bem como muitos brasileiros) não assinarão nenhum contrato importante. Leia artigo sobre as outras crenças de eslavos e conte se no Brasil tem algo parecido.

Todas pessoas sabem que na sexta-feira do dia 13 é considerada de má sorte. Neste artigo reunimos as crenças mais estranhas das quais, muitos habitantes da antiga URSS acreditam.

1. Quando os russos se mudam para um novo apartamento, em primeiro lugar, deixam um gato entrar no apartamento. Considera-se que o gato pode espantar os “maus espíritos” que possam ocupar o apartamento. E o quarto que o gato escolhe para dormir será o quarto escolhido para a família dormir;

 

2. Assobiar dentro de casa trás má sorte. Acreditam se que assim é possível perder o dinheiro. O assobio na Rússia é considerado algo negativo. É um tipo de entretenimento para preguiçosos;

 

3. Acreditam que não é bom varrer ou lavar o chão logo após a partida de seus hóspedes. Considera-se que o hóspede deixou para trás “um traço espiritual”. Ao “lavar” ou “limpar”, logo após a partida deles, isso significa que não quer vê-los no apartamento novamente. Os russos nunca cumprimentarão, nem dirão “adeus” ou darão as mãos para os sujeitos que estão na entrada do apartamento. Considera-se que isso levará à disputas. Por que até hoje, ninguém sabe. Mas isto foi adotado por líderes de russos durante muito tempo;

 

4. Na Rússia não se aceitam entregar o dinheiro. É desejável transferir o dinheiro ou deixá-lo encima de uma mesa. Existem lojas que usam uma espécie de “pires”, onde o comprador deposita o dinheiro e depois – o vendedor pega. Considera-se que é possível transmitir a informação negativa pelo dinheiro, ou até algum tipo de doença. A mesa ou um pires neutralizam esta negatividade ou possibilidade de infecção;

 

5. Os russos têm medo de espelhos quebrados ou até mesmo espelhos com fendas. Considera-se que o espelho acumula, em si mesmo, toda a informação que refletiu. Se o espelho viu muitas coisas negativas – quando uma pessoa olha para esse espelho quebrado, toda essa negatividade será passada para a pessoa através destas fendas;

 

6. Dar um relógio de presente – pode ser “o presente” que se pode dar na Rússia. Não importa se for caro ou barato. As pessoas ligam isto ao fato de que você quer que o tempo passe depressa para elas. Em outras palavras: “que morram bem rápido”. A propósito – o melhor presente, na antiga URSS, são livros;

 

7. Quando eles estão torcendo para que algo dê certo, eles (os russos), cruzam os dedos, acreditando que este “sinal” trás boa sorte – e de que tudo vai ocorrer muito bem;

 

8. Os russos, muitas vezes, batem três vezes numa superfície de madeira ou cospem pelo ombro esquerdo, se têm medo de alguma situação da qual acabaram de falar. Considera-se que os maus espíritos podem destruir os seus planos. Más, se logo após falarem – baterem em alguma madeira ou cuspir pelo ombro esquerdo, os maus espíritos retrocederão dos seus intentos.

 

Ao mostrar este artigo para algum amigos russos, seguramente falarão que esse texto é um absurdo. Este texto é apenas sobre algumas superstições curiosas que a maioria de russos subconscientemente acreditam. Más, se lerem a história de cada superstição, as pessoas não irão querer admitir o próprio absurdo.

Se você gostou deste artigo e gostaria de aprender mais sobre a cultura russa e seu idioma, você pode fazer nosso curso de russo

Andrei Tarasov
Andrei Tarasov

Nasceu em 1989 na cidade de Izhevsk, Rússia. Desde os 17 anos trabalhou no jornal local de sua cidade e aos 19 anos mudou-se para viver em Moscou, e passou 6 anos na televisão trabalhando como repórter e redator. Mora no Rio de Janeiro desde 2014. Ama aviões, gatos, e claro, jornalismo.

  • Круто! Sobre o prato ou pires para colocar o dinheiro eu não sabia desse detalhe, pensava que era simplesmente para não pegar o dinheiro direto da mão da pessoa.
    присядь на дорожку – sempre antes de partir para alguma viagem os russos tem o costume de sentar por alguns segundos ou minutos. Esse costume é para que o viajante tenha uma boa viagem.