Princípio do Batismo

Escrito por Eugenio Braha.

batizmo-ortodoxoNas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, o princípio da salvação do ser humano, está no seu renascimento espiritual: “… Em verdade, em verdade te digo que quem não renascer da água e do Espírito Santo, não pode entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne, é carne, e o que nasceu do Espírito, é espírito” (João 3:5-6).

Esse nascimento com a água e Espírito é efetivado no mistério do batismo.

No batismo o ser humano purifica-se das impurezas do pecado, liberta-se da escravidão das paixões e renasce para uma vida espiritual. O batismo é de tamanha força espiritual que se realiza apenas uma vez, apesar de que, após o batismo a vida do ser humano poderá não se corresponder a uma elevada vocação cristã. Sobre este ponto de vista o batismo pode se assemelhar a uma lamparina espiritual, acessa pelo Espírito Santo no coração do ser humano. A chama desta lamparina pode, ora aumentar, ora diminuir, mas nunca será totalmente extinguida. Nosso objetivo mais importante, é aumentar esta chama sagrada em uma brilhante labareda.

 

Neste artigo tentaremos revelar o significado e a força do mistério do batismo e sua ligação com o mistério da crisma, na esperança que, tendo um conhecimento mais profundo com estes santos mistérios, o leitor possa ser induzido a aproveitar-se da grande riqueza espiritual adquirida através do batismo.

O significado do batismo

 

O mistério do batismo está intimamente relacionado com a presença do dano pecaminoso na humanidade. O ser humano já chega ao mundo com a natureza atingida pela predição do pecado. Com o passar dos anos como se fosse uma planta daninha, o pecado cresce e vai se fortalecendo cada vez mais e mais, e lentamente vai escravizando a alma humana. Conseqüentemente, não apenas individualmente mas socialmente, a vida como um todo acaba sendo envenenada pelo pecado; e é dele, que provem toda a desgraça humana: crime, sofrimento, vários delitos, morte física e o mais importante, a morte espiritual.

Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, veio à terra para aniquilar o pecado e dar oportunidade à humanidade de obter a eterna e feliz vida no Reino dos Céus. O renascimento espiritual no homem se inicia na fé em Jesus Cristo, no verdadeiro desejo de ser libertado do jugo do pecado e levar uma vida de acordo com a vontade de Deus. Com esse renascimento, nosso Senhor Jesus Cristo ainda nos consentiu a ressurreição dos mortos, quando Ele diz: “Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem, viverão” (João 5:25). Porém, somente a fé e o desejo do ser humano não são suficientes. É preciso a força da graça, para que se realize o renascimento espiritual do indivíduo. Esta força da graça penetra a alma da pessoa, submergindo-a em água, durante o batismo.

Nosso Senhor Jesus Cristo instituiu o mistério do batismo, após a Sua ressurreição dos mortos, quando Ele apareceu aos Seus discípulos e disse: “Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei…” (Mt 28:19-20). “O que crer e for batizado, será salvo; o que, porém, não crer, será condenado” (Mc 16:16).

Seguindo a ordem do Salvador, os apóstolos pregavam a fé em Jesus Cristo nos lugares aonde chegavam e batizavam todos aqueles, que se convertiam. O primeiro batismo em multidão, ocorreu no dia em que o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos, quando após o sermão de Pedro, os ouvintes perguntaram o que deveriam fazer para serem salvos. O que o apóstolo replicou: “Fazei penitência e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão de vossos pecados; recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2:38).

O significado do batismo é explicado ainda mais, pelo apóstolo Paulo em sua epístola aos romanos: “Vós não sabeis que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na Sua morte? Nós fomos, pois, sepultados com ele, a fim de morrer (para o pecado) pelo batismo, para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim nós vivamos uma vida nova” (Rom 6:3-4). Tendo morrido na cruz, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, carregou consigo todos os nossos pecados, e deste modo, purificando-nos. Sua morte na Cruz tem o poder de lavar todos os nossos pecados. Todos aqueles que são batizados, são imersos na morte de Cristo e na força da purificação dos Seus sofrimentos na cruz. Esta força destrói completamente todo pecado, de maneira que nenhum traço fique remanescente. Isso pode ser comparado, a colocar um pedaço de minério em uma solução química, a qual dissolve todas as impurezas, deixando o ouro puro.

Quando alguém é purificado do pecado, ele se liberta de seu jugo e é livre para seguir a sua vida espiritual. Nas Sagradas Escrituras o nascimento espiritual é denominado de “primeira ressurreição,” para diferenciar da segunda, a ressurreição física, que ocorrerá antes do final do mundo (cf.Apoc 20:5). A pessoa batizada torna-se um filho amado de Deus, sendo adotada por Ele como filho ou filha, pela graça de Cristo.

Isto não significa que o ser humano batizado, é livre de todas as tentações ou da luta espiritual. As lutas espirituais são inevitáveis, para toda pessoa que vive neste mundo de tentações. Quem não é batizado, não tem forças para lutar contra o pecado, e é escravizado por ele; ao passo que o batizado é liberado do pecado e recebe ajuda para a luta contra as tentações.

São Marcos o Asceta, elucida o mistério do batismo da seguinte maneira: “Tu te envolveste em Cristo pelo batismo e tens poder e armas para dominar pensamentos pecaminosos… O santo batismo nos liberta totalmente da escravidão do pecado… Se, após o batismo somos submetidos ao pecado, não é porque o batismo não tenha sido consumado, mas, é porque nós não nos esforçamos no cumprimento dos Mandamentos e vivemos para nossa própria satisfação e nosso próprio desejo. Se nos atarmos novamente aos desejos do demônio ou se permanecermos livres através da realização dos Mandamentos, é uma questão da nossa livre vontade… Quando, após o santo batismo, somos capazes de cumprir os Mandamentos mas não os fazemos, outra vez indesejavelmente nos tornamos escravos do pecado, até que supliquemos a Deus para eliminá-los de nós, através do arrependimento” (Filocalia, tomo1º).

Todo cristão deve compreender, que superando as tentações, ele progride moralmente, ao mesmo tempo em que, está crescendo e se tornando mais forte espiritualmente. A chave para isto, é o esforço pessoal. Se não existisse a luta, não existiriam pessoas justas. Na luta contra as tentações o cristão não está só, mas, ele recebe uma grande ajuda do Espírito Santo através da crisma, a qual é normalmente realizada imediatamente após o batismo.

O significado da crisma

 

Somente com a morte e a ressurreição de Cristo, terminada em Pentecostes — a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos — o batismo do cristão atinge a sua realização na crisma. No batismo o ser humano é enterrado e ressuscitado com Cristo, na crisma lhe é dada a graça do Espírito Santo. Desta maneira pode-se ver, como o milagre do Pentecostes é continuamente renovado na Igreja através desses mistérios.

O significado da crisma se encontra nas mais importantes e fundamentais palavras do mistério, as quais constituem a declaração conclusiva: “O selo da dádiva do Espírito Santo.” Essas palavras estão: a) como ato decisivo, confirmando a entrada da pessoa batizada na Igreja, b) como fonte das forças sagradas, dadas àquele que foi batizado para o seu fortalecimento e crescimento na vida espiritual.

São Cipriano (séc. III) escreve: “Pessoas batizadas na igreja, são marcadas com o selo justo do Senhor, como outrora os cristãos samaritanos receberam o Espírito Santo dos apóstolos Pedro e João, através da imposição das mãos e oração… O que lhes estava faltando foi realizado pelos apóstolos… (isto é, o Espírito Santo, pois eles haviam sido batizados somente em nome de Cristo). Isto também acontece conosco… nós nos tornamos completos, com o selo do Senhor” (Cf. At 8:14-17). São Cipriano confirma que os antigos, em se falando do nascimento através da água e do Espírito, entendiam que, o nascimento através da água se referia ao batismo físico, enquanto que a crisma era o nascimento através do Espírito. Santo Efrem o sírio (séc. IV) escreve: “O selo do Espírito Santo, sela todas as entradas em sua alma, enquanto que o selo da crisma, sela todos os seus membros.”

No tempo dos apóstolos as dádivas do Espírito Santo eram outorgadas através da imposição das mãos. Podemos ler sobre isto nos Atos dos Apóstolos, quando o apóstolo Paulo encontrou alguns discípulos em Éfeso, que tinham recebido somente o batismo de João. Ele lhes impôs as mãos e desceu sobre eles o Espírito Santo: “Ora os apóstolos que estavam em Jerusalém, tendo ouvido dizer que a Samaria tinha recebido a palavra de Deus, mandaram-lhes lá Pedro e João, os quais, tendo chegado, fizeram oração por eles, a fim de receberem o Espírito Santo; porque ele ainda não tinha descido sobre nenhum deles, mas somente tinham sido batizados em nome do Senhor Jesus. Então lhes impunham as mãos e recebiam o Espírito Santo” (At 8:14-17; 19:2-6).

Como foi que a abençoada imposição das mãos, foi substituída pela unção com mirra? É muito provável que, pela impossibilidade dos apóstolos não poderem visitar pessoalmente, a todos os novos batizados convertidos e de não poderem impor suas mãos sobre eles, substituíram esta prática pela unção com a mirra, a qual era abençoada por eles e distribuída aos representantes de muitas igrejas; assim como são lembradas pelo apóstolo Paulo: “Ora o que nos confirma em Cristo convosco e que nos ungiu, é Deus, o qual também nos imprimiu o seu selo e deu em nossos corações o penhor do Espírito” (2Cor 1:21-22). As palavras essenciais do Mistério, “o selo do dom do Espírito Santo,” tem desta maneira uma base nessas palavras dos apóstolos.

Além disso São Paulo escreve: “Não entristeçais o Espírito Santo de Deus, pelo Qual fostes marcados com um selo para o dia da redenção” (Ef 4:30). Nas Sagradas Escrituras, o “dia da redenção” se refere ao batismo, enquanto que “existência selada” pelo Espírito Santo, significa o selo do Espírito Santo, que se seguiu imediatamente após o batismo.

O óleo de mirra e não outra substancia, é usado no mistério da crisma, porque mesmo no Velho Testamento o óleo era usado para dotar pessoas com dons espirituais particulares (Êx 28:41; 1Sam 16:13; 1Rs 1:39). O renomado escritor Tertulião do terceiro século dizia: “Após a saída da pia batismal, nos untávamos com um óleo abençoado, assim como os antigos eram untados com o óleo do chifre, para o sacerdócio”.

A palavra “cristão” foi sempre intimamente associada pelos Santos Padres da Igreja com a palavra “crisma.” Cristão significa Ungido. São Cirilo de Jerusalém escreve: “Tendo se tornado um adepto de Cristo, vocês são merecedores de serem chamados cristãos, isto é, um dos ungidos, assim como Deus disse: “Não toqueis os Meus ungidos…” (Sl 104:15)”.

Em todos estes trechos dos apóstolos Paulo e João, o termo unção indica que o cristão é dotado com dons do Espírito Santo, os quais tradicionalmente, desde os tempos do Antigo Testamento, eram transmitidos aos escolhidos através da unção com o óleo santo. Na epístola do apóstolo João lemos: “Porém vós recebestes a unção do Santo e sabeis todas as coisas… permaneça em vós a unção que recebestes Dele. Não tendes necessidade que ninguém vos ensine; mas porque a sua unção vos ensina todas as coisas, e ela é verídica e não mentirosa, permanecei Nele, segundo ela vos ensinou” (1João 2:20, 27).

As narrativas dos Atos dos Apóstolos confirmam que, além do recebimento dos dons espirituais do Espírito Santo, a imposição de mãos ou a crisma depois do batismo servem para confirmar a outorgação do batismo e selar a união de todos os batizados com a Igreja. Este é o porquê desses atos terem sido realizados pelos próprios apóstolos e subseqüentemente por seus sucessores, isto é, os bispos. Enquanto que uma pessoa nasce através do batismo para uma vida espiritual, a crisma a torna um participante da graça na vida da Igreja.

Fonte:

Missionary Leaflet

Bishop Alexander (Mileant)

Holy Protection Russian Orthodox Church

2049 Argyle Ave. Los Angeles, California 90068

 

Se você gostou deste artigo e gostaria de aprender mais sobre a cultura russa e seu idioma, você pode fazer nosso curso de russo

Snizhana Maznova
Snizhana Maznova

Estou no Brasil a partir de 2006 e sinceramente posso dizer que adoro esse país com sua cultura tão rica e povo tão simpático. Meu pai é russo e minha mãe ucraniana com raízes da Polônia e Grécia. Até terminar época soviética vivi viajando entre Rússia e Ucrânia e considero os dois países como minha pátria. Além ministrar cursos de idiomas, trabalho como tradutora de russo e ucraniano. Atuo também como intérprete em reuniões entre brasileiros e pessoas da Rússia e Ucrânia, na área turística e viagens de negócio, e assistência para estrangeiros na abertura de empresa no Brasil e pesquisa no mercado etc.