Uma Paixão por Cogumelos

cogumelos-russiaQue imagens vêm a sua cabeça quando pensa sobre a Rússia, Ucrânia ou outros países do antigo bloco soviético? Aposto que nenhuma delas inclui cogumelos. Se podemos dizer que a maioria dos russos só viu os ursos em zoológico, não sabe dançar daquele jeito agachado, não tem Matrióchkas ou Balalaikas em casa, no entanto, a maioria deles ama cogumelos. E eu sei que soa estranho.

Durante o período entre julho e outubro, quando termina o verão e começa o outono várias pessoas começam a ficar “loucos”. Conheço algumas mulheres elegantes que no final de semana se transformam em malucas obsessivas que maltrapilhas e despenteadas correm pelo mato quebrando suas unhas cuidadosamente pintadas.

No final de semana, começa uma espécie de “febre”. Homens, mulheres e crianças acordam muito cedo, vestem roupas impermeáveis e botas de borracha, pegam cestos de todos os tamanhos e, de trem, ônibus ou de carro, se dirigem até alguma floresta para procurar cogumelos. Não estou falando sobre champignon ou shiitake. São cogumelos cultiváveis e não despertam nenhum interesse entre esses “caçadores”. Também não estamos nos referindo às trufas: cogumelos de altíssimo valor encontrados, principalmente, na França ou Itália, embora existam nas regiões sulinas da Rússia e Ucrânia.

cogumelos-russosHá uma grande diversidade de cogumelos comestíveis utilizados no preparo de vários pratos. Podem ser fritos com batata e servem para o preparo de sopas maravilhosas. Alguns são conservados com sal, salmoura ou secos para serem consumidos o ano inteiro.

Muitas pessoas adoram comer cogumelos, mas o processo de sua busca por horas a fio, percorrendo quilômetros floresta adentro, é uma aventura a parte. Conheço pessoas que não gostam de comer cogumelos, mas adoram procurá-los. É uma aventura com direito a adrenalina (em dose segura) e um elemento competitivo (quem encontrou mais e os melhores). É algo que ainda está no sangue, o que sobrou dos antigos eslavos pagãos, cujo sustento vinha das florestas.

 

Se você gostou deste artigo e gostaria de aprender mais sobre a cultura russa e seu idioma, você pode fazer nosso curso de russo

Anastassia Bytsenko
Anastassia Bytsenko

Professora do Clube Eslavo. Concluiu pós-graduação no Departamento de Literatura e Cultura Russa da Universidade de São Paulo. Defendeu a tese de doutorado “Lev Tolstói e o Teatro: Texto e Contexto de O Cadáver Vivo” na mesma universidade. Ministra aulas de língua e literatura russa, oferece vários cursos e palestras. Realizou traduções de obras de literatura e ensaística da língua russa para o português (por exemplo: FLORIÉNSKI, P. A Perspectiva Inversa. Editora 34, 2012; TARKÓVSKI, A.A. O Sacrifício. É Realizações, 2012; TOLSTÓI, L.N. Sobre Shakespeare e o teatro. Companhia das Letras, 2011; ZINGUERMAN, B. As Inestimáveis lições de Stanislávski; In: TEATRO RUSSO: Literatura e Espetáculo. Ateliê Editorial, 2011, etc.)