Kvass – bebida dos países eslavos

kvassKvass é uma bebida fermentada levemente ácida e adocicada. É tradicional na Rússia, Ucrânia e outros países eslavos. Ele é preparado a partir da fermentação de malte, farinha de trigo, cevada ou de pão de centeio, as vezes com adição de ervas aromáticas, frutas e mel. Na culinária, Kvass pode ser utilizado para preparo de sopas frias de verão.

De acordo com a classificação da Beer Judge Certification Program, Kvass  é definido como uma “cerveja histórica, tradicional local/nativa/nacional” (historical, traditional or indigenous beers).

De fato Kvass os primeiros protótipos de Kvass existiram no Egito antigo, Babilônia, Grécia e Roma. A primeira menção escrita de Kvass em língua eslava data o ano 996 d.C, quando após seu batismo, o príncipe Vladimir de Kiev ordenou distribuir “alimentos, mel e kvass” para o povo.

Na Rússia essa bebida sempre foi muito difundida entre todas as camadas e grupos sociais e consumida diariamente. Existem menções de consumo de Kvass por personagens literários de grandes clássicos de literatura russa como Púchkin, Dostoiévski, Tolstói e Tchékhov. Existem vários provérbios e ditados populares sobre ele.

 

Kvass é como o pão, nunca me canso dele;

O Kvass russo salvou muitas pessoas;

O Kvass ruim é melhor do que água boa.

 

Desde a Idade Media na Rússia existia mais de 500 variedades de Kvass. Era considerado uma bebida quase milagrosa que, segundo as crenças, ajudava a curar várias doenças.  O povo atribuía poderes mágicos ao Kvass que estava presente em vários ritos populares. Por exemplo, antes do casamento, durante o banho da noiva Kvass era derramado sobre a lareira e o resto tomado. Após o casamento, os pais recebiam o jovem casal com pão e Kvass. Os antigos eslavos costumavam derramar Kvass sobre os corpos durante os banhos. Também era considerado um talismã. O povo acreditava que o incêndio provocado por um raio só poderia ser apagado com leite ou Kvass.

Antes da revolução era uma bebida obrigatória nos hospitais, fornecida para soldados do exercito e da marinha. Seus efeitos benéficos para o organismo: a tonificação e melhora da digestão estão comprovados. Kvass não industrializado é uma bebidas obtida através da fermentação do ácido láctico. Sua ação sobre o corpo humano é semelhante à dos produtos como iogurte. Ele regula a atividade do trato gastrointestinal e do sistema cardiovascular, melhora o metabolismo, impede o desenvolvimento de micro-organismos patogênicos e aumenta o tônus.

Na época soviética, Kvass era vendido na rua tirado dos pequenos tanques de cor amarela. Atualmente, existe várias marcas de Kvass vendido em garrafas plásticas. No entanto, é semelhante aos refrigerantes e contem quase mesmos ingredientes: dióxido de sódio, edulcorantes, aromatizantes e simulador de sabor. É uma bebida de cor marrom escura levemente adocicada. Embora na década de 1990, Kvass cedeu lugar para refrigerantes estrangeiros, agora está bem mais popular do que eles.

Antigamente, Kvass na Rússia era forte e mais encorpado do que atual cerveja. Era ma bebida de alto teor alcoólico o que mudou com passar do tempo. Agora ele não passa de 1,2%.

Kvass pode ser feito em casa.  Basta colocar pedaços de pão preto de centeio, açúcar, fermento e água em um vidro grande e fechar por alguns dias. A bebida vai fermentar e após peneirada pode ser servida.

 

Se você gostou deste artigo e gostaria de aprender mais sobre a cultura russa e seu idioma, você pode fazer nosso curso de russo

Anastassia Bytsenko
Anastassia Bytsenko

Professora do Clube Eslavo. Concluiu pós-graduação no Departamento de Literatura e Cultura Russa da Universidade de São Paulo. Defendeu a tese de doutorado “Lev Tolstói e o Teatro: Texto e Contexto de O Cadáver Vivo” na mesma universidade. Ministra aulas de língua e literatura russa, oferece vários cursos e palestras. Realizou traduções de obras de literatura e ensaística da língua russa para o português (por exemplo: FLORIÉNSKI, P. A Perspectiva Inversa. Editora 34, 2012; TARKÓVSKI, A.A. O Sacrifício. É Realizações, 2012; TOLSTÓI, L.N. Sobre Shakespeare e o teatro. Companhia das Letras, 2011; ZINGUERMAN, B. As Inestimáveis lições de Stanislávski; In: TEATRO RUSSO: Literatura e Espetáculo. Ateliê Editorial, 2011, etc.)

  • CLAUDEVAN MELO

    Quero provar na proxima feira Eslava

    • Cada mês a comunidade da Vila Zelina em São Paulo organiza Feira dos Países do Leste Europeu e lá tem oportunidade de provar kvass.